A joalharia na moda – Qual o seu posicionamento?


“A moda da joalharia esteve desde sempre intrinsecamente ligada à moda de vestuário” (Lipovetsky, 1989)
A joalharia é uma forma de arte decorativa ancestral, considerada ainda um dos setores “tradicionais” da economia portuguesa pelo cariz artesanal e manufatureiro que lhe está associado.
Com um percurso que se confunde com a história e se perde nas brumas do tempo, conta atualmente com uma importante expressão produtiva especialmente nas regiões do norte e centro do país.
Encontra-se contudo imersa num processo de mudança que visa dar uma resposta mais abrangente aumentando a competitividade e afirmando a sua posição nos mercados internacionais.
O reconhecimento das suas especificidades através do estudo das mais recentes tendências de mercado aliado a uma estratégia de divulgação fortemente estruturada, apresentam-se como fatores essenciais para que o know-how adquirido ao longo de gerações conjugado com o talento dos criativos e o recurso a novas tecnologias sejam o ponto de partida para a sua “reinvenção” e sustentabilidade, assumindo uma perspetiva de contemporaneidade e inovação, sem perder contudo a identidade original que lhe está subjacente.
Partindo do corpo como elemento de expressão e da identidade pessoal como afirmação, a joalharia tem desde sempre caminhado a par e passo com as tendências de vestuário, já que ambas sofreram ao longo dos tempos os mesmos processos de adaptação e transformação. Complementando-se, acrescentando-se, interagindo.
Moda e joalharia revestem-se assim da mesma semiótica, linguagem silenciosa que fala aos sentidos e ao inconsciente, numa articulada e intimista forma de comunicar.
Para além do sentido pragmático, imediato e utilitário, para alem do que usamos, do que parecemos, do que gostaríamos de ser, as tendências surgem como fio condutor de escolhas e correntes de gosto que se transformam em paradigmas estéticos.
A joalharia enquanto “arte do adorno” detém um importante papel enquanto afirmação de riqueza, poder e status pelo valor material que lhe é atribuído, mas também se manifesta no campo subjetivo como evocação de afetos e sentimentos, encerrando em si o poder de eternizar. A joia surge como expoente máximo da materialização da beleza, seduzindo, encantando, alimentando o desejo.
O brilho das pedras, a riqueza dos metais, a delicadeza de formas e texturas que enfeitam o corpo e valorizam a imagem, são parte integrante e indissociável do universo global da moda propriamente dita.
Ao aliar-se a este segmento, a joalharia afirmou-se enquanto setor ”democratizando-se” e aproximando-se do público consumidor. Designers e marcas passaram a ter uma expressão nunca antes verificada através do reconhecimento e visibilidade que a entrada neste circuito lhes permitiu.
Em Portugal, um exemplo inequívoco desta interligação criativa, foi a associação do jovem criador Valentim Quaresma às coleções de Ana Salazar.
Se inicialmente as suas peças surgiam como complemento dos coordenados da conceituada designer, hoje em dia, Valentim Quaresma detém na passerelle da ModaLisboa um lugar de destaque, arrebatando publico e imprensa com a apresentação em desfile de peças inesperadas, surgidas da transformação de objetos banais em peças requintadas e luxuosas combinando referências antagónicas.
Outras marcas e nomes têm vindo a apostar nesta forma de divulgação e promoção que teve início no séc. XIX com o conceituado joalheiro francês Louis Cartier, que veio então a ser seguido por ícones como Paul Poiret ou Coco Chanel.
Aliar a joalharia ao design de moda, será algo tao óbvio e instintivo como a combinação entre diferentes formas de arte, que apesar de independentes, não teriam qualquer eco ou expressão quando isoladas em si mesmas.

A construção de imagens surge sim, da íntima relação entre as inúmeras influências artísticas/ criativas, que partindo de universos internos ou externos, visuais ou sensoriais, buscam uma reinterpretação subjetiva da realidade, e a busca da construção-desconstrução estética dos padrões vigentes.

 

9.9.2013
Foto: Frederico Martins

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *